quarta-feira, 28 de março de 2001

Poetisa ferida

Sempre fui poetisa da alegria
Das grandes virtudes e glórias
Como um poeta deve ser.

Mas uma grande decepção
Sem compaixão e com precisão
Feriu as palavras do meu ser.

Neste momento escrevo as tristezas
Que a vida nos prega
De maneira irônica e desprezível.

Os sonhos e realidades incompletas
Por minha insensatez
Pregou-me esta peça.

Que fraqueza a minha
Cai na própria armadilha
De que tanto dava gargalhada e contestava.

Cedo ou tarde
Nunca faltará essa realidade
No íntimo de cada ser.

Esta droga maldita
Que me colocou em delírios
Que não é injetada e nem bebida.

A ânsia me devora
Mas no grito da vitória
Vou me safar dessa agonia.

Mas neste momento
Desafogo em lamentos
Minha dor contraída.

Perdoai então
Meu momento sofrível
De poetisa ferida.

Condenação

É ímpar, é demais poder amar
Mas amor é como o satanás
Faz proteger o nome do condenado
Precisando usar codinome para o ser amado

A sociedade não permite
Um amor assim tão alvo
Tão leve, tão solto, tão verdadeiro
Mas que nada tem de arbitrário

O satanás quem criou o dinheiro
Quem criou os valores materiais
Mas Deus criou o amor
Para combater o satanás

Quem é o homem?
Que se julga capaz de condenar
Um amor assim tão presente
No íntimo de um ser?

A liberdade existe
Mas na insensatez
A sociedade
Protege-se com Deus
E ama o satanás

Como um carrasco
Usando sua lâmina afiada
Cravando no coração amante
Mata morbidamente este amor tão presente.

quarta-feira, 14 de março de 2001

Telefone

Estou escravizada
Por este aparelho maldito,
Fico constantemente a espera
Que ele me chame do longínquo lugar.
Aquele toque lusitano
Que só eu sei decifrar.
O som mais lindo que já pude ouvir em minha vida,
Sem instrumentos, mas é uma verdadeira sinfonia
Que me faz delirar.
Os prazeres já me tocam
Quando em seu visor maloca
O número além mar.
A prata da voz que sussurra do outro lado,
Transforma em ouro o meu coração.
É uma magia este som de notas poucas
Que atinge um grau de maestria
E transforma-se em melodia
E quando silencia me faz chorar.