quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Você ainda se lembra?

Você ainda se lembra das opções que tínhamos nos piqueniques nos dias mais frios?  
Você se lembra, dos passeios que fazíamos após a saída da faculdade, escapando madrugadas e nem sentíamos o cansaço?
Você se lembra, das paradas para roubarmos maçãs e peras a beira da estrada? 
Você se lembra, das vacas com chifres que tivemos de fotografar de dentro do carro por medo.
Você se lembra?
Pela maneira que quebrei o seu coração ou talvez não.
Por favor, desculpe-me, eu nunca quis ferir o seu coração 
Sinto muito, eu nunca quis quebrar o seu coração 
Mas você partiu o meu.
Sei, é tarde demais para dizer que sinto muito.
Ei, nós poderíamos ficar juntos de novo, 
eu simplesmente não posso continuar fingindo que se tratava de um final natural.
Oh! Eu nunca pensei que eu ia perder você, mesmo você me dizendo 
Eu pensei que nós seriamos sempre amigos 
Nós dissemos que nosso amor duraria para sempre 
Então, como se chegou a esta final amargo?
Você se lembra no gramado com as estrelas cadentes?
Você se lembra do amor no chão da sala perto da lareira?
Você se lembra, escorregando em sacos plásticos na neve? 
Você se lembra de que você nunca entendeu que eu tinha de ir? 
Aliás, eu não queria quebrar o seu coração 
Por favor, me perdoe, nunca quis ferir seu coração 
Sinto muito, nunca quis ferir seu coração 
Mas você partiu o meu.
Ei, eu só quero dizer que sinto muito.
Ei, eu estou com muito medo de pegar o telefone para ouvir que você encontrou outra amante para consertar a nossa casa quebrada.
Eu ainda estou tentando escrever aquela poesia de amor para você.
Ei, é mais importante para mim agora que você desapareceu,
Talvez vá provar que estávamos certos ou provar que eu nunca estive errada.

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Omissão

Proibiu as suas palavras de me visitarem, 
teus olhos de me enxergarem, 
teus ouvidos de me escutarem. 
Improvisou outra voz mísera 
que descarinhosamente negou, 
escondendo de mim o que vivias. 
As promessas não falam por mim
e já trouxe o amanhã para o hoje 
confessando que pela compleição débil o destino errou. 
Desisto de lutar pela faculdade de perceber. 
Prendi a palavra, 
fechei os olhos. 
O que há mais de existir? 
Um mundo desbotado e sem pessoas, 
uma ave que não voa 
nada mais de mim..., nada!

Amor

Amor é somar, dividir e multiplicar
Nunca, jamais, subtrair.