segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Aconchego

Que belo o que ousas proclamar,
Mesmo que seja em nome alheio
De ti, nunca vou me separar
Pois um grande amor é sempre verdadeiro.
Se sou rosa e tenho espinhos
És um cravo macio em que posso me aconchegar.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Será?

Existem coisas que não compreendo
Como a morte
Não entendo o romantismo barato pelo telefone
Não compreendo indecisão.
Não consigo entender o verbo amar vazio
Nem o sorriso forçado.
Não compreendo a virtude pelo interesse.
Muito menos as pessoas que deixam de viver
para viver a vida de alguém.
O que menos entendo mesmo é o silêncio.
Será que morri?