terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Lembranças perfeitas II

O semáforo da ponte no lugar desconhecido não dá o verde, e a espera é longa?
Não sabíamos que deveria apertar o botão.
Estamos no carro há horas e temos fome e sem dinheiro?
Comemos pão com chouriça.
A sapateira é só moscas?
Não se come sapateira a beira rio.
Os portais dos castelos e outras obras milenares são magníficos?
Esquecemos novamente da máquina fotográfica.
As idas de férias são cansativas e curtas?
Mas vale a pena o oceano com um espeto de churrasco a pescar,
Ou um mergulho com os corpos equipados a beira mar.
A lida dos dias é exaustiva?
Mas compensa no fim da noite.
O frio é insuportável na serra?
Mas a profissão é o resgate.
Repetimos as idas nos mesmo sítios?
Mas as cores são sempre diferentes.
As músicas no carro podem vir do rádio ou CD e se repetirem?
Mas é a hora de dizer que nos amamos.
A Leiria ficou próxima a Coimbra?
É o prazer da espera.
Cada percebe e ameijoa ingerida?
Tudo sabe bem.
Cada vitrine apreciada?
É tudo lindo com a loja fechada.
Cada compra realizada para a casa?
Horas e horas de apreciação.
Cada taça de vinho consumida sentados à mesa da cozinha com os corpos nus?
É o diálogo doravante do delírio dos melhores amantes.
Cada pescaria sem nexo no frio intenso?
A melhor das pescarias.
Sentados na areia da praia depois de consumirmos carapau seco?
Que viagem!
Os bocejos no carro no fim da noite?
Uma praga que pega.
E depois de tudo as lembranças,
E ri-se e ri-se sem parar, das mais fúteis e idolatradas conquistas.

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Sublevação

Não te espante Doutor
Essa é só a minha dor,
Mas não toque o dedo na ferida
São os ais... Da minha vida.
Observa Doutor
As minhas cordas vocais
Não são como as cordas das harpas
São pregas fenomenais.
Os ais que grito e ouves
São bem postos
Não duvide, eu não gosto,
São ais... De toda uma Nação.
Não se engane Doutor
Diagnosticando essa minha rouquidão.
Terás de dar o mesmo diagnóstico
A toda população.
Admita doutor
Que será muito difícil encontrar
Este mesmo sintoma
Em outros Doutores, discricionários.
Encontro-me doente Doutor?
Os meus ais não serão escutados?
Não existe paliativo para essa dor?
Ah! Doutor
Se a dor vai continuar
Vou subir no mais alto dos montes
Serão tantos os meus gritos em ais
Emitindo ondas sonoras
Intensamente vibrantes
Que perturbarão as cordas das harpas
Fazendo-as tocar
Músicas infernais.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

O sonho

Você corre, corre atrás de um sonho.
Mas você não conhece o sonho
Então, você vaga de um lado para o outro,
Considerando as coisas pontuais como realizadas
Mas você volta para casa
Fica ali calado
Frio
Embutido
Imundo
Moribundo
Chora e ri embriagado
A noite cai
O estomago enjoado
Adormece
E o sonho que sequer foi sonhado
Morre com o sono
O dia nasce novamente
E você volta a correr e corre atrás do sonho.

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Relacionamento

O relacionamento acabou mas existe amor?
O ódio, a vingança se apresenta.
E o vazio? Que tormenta!
E chora-se e ri-se.
O corpo fica esquálido.
Os olhos não veem os campos, as ruas e as cidades.
Não se escuta os cumprimentos, são sussurros desnexos.
Quer-se a amizade?
Não, não existe possibilidade – É amor.
Sente-se a senhora de cetim negro, mais próxima.
Caminha junto a todos os passos.
Então o que é melhor?
Lembrar-se que a vida é uma peça de teatro,
E o vivido não foi mais que meio ato.