quinta-feira, 28 de março de 2013

Paixão

Sê como amigo,
O mais verdadeiro.
Sê por gratidão,
com a maior vontade.
Sê por justiça,
bem feita.
Sê por teimosia,
com orgulho.
Sê por caridade,
de coração.
Sê por ganância,
para valer o esforço.
Sê por obrigação,
para o certo.
Sê por paixão,
a mais intensa.
Sê por impulso,
sem arrependimentos.
Sê por amor, 
irás ao céu
Sê assim, 
que com o manto de minha paixão
te doutrinarei.

quarta-feira, 27 de março de 2013

Voo

Se alçares voo
Deverá ser para chegares o mais alto dos ares
Para ver com outros olhos os mares.
E sonhares.
Mesmo que esteja longe a terra
Não tenhas medo da queda
Que um dia estará por vir.
Se não conseguires pousar
Então permaneça na correnteza quente dos ares
Com as asas paradas
E irás a outros lugares
Sem te cansares.
A vista de cima é das mais belas
É lúdica, é singela.
E quando conseguires um bom pouso
Pousa suave
Outros voos assim
São seculares.

Bem-te-vi

Bem-te-vi, bem-te-vi...
Bem me viu e eu não te vejo?
Não quero este bem, não o desejo,
Que me vês e eu não o vejo.
Abra as tuas asas
Pouse na minha arcada
Saia do anonimato.
Não sou assim tão tolerante
Para que fiques de longe
Fustigado a minha alma.
Se assim continuares
Vou armar o meu arco
E a esmo disparo
Levando na ponta da flecha de aço
O seu último abraço.

Mané

Nasceu ignorante
Sem berço para levá-lo adiante.
Sem esforço
Descambou para a vida errante.
Teve muitas amantes.
Sua felicidade?
Deitar-se com as Maneias,
Eram as suas odisseias.
Pensava só com o falo
O que de mais honroso tinha,
Só poderia se tornar inábil.
E agora Mané, que o seu corpo,
Chegou ao desmonte?
E desmoronou.
Mas, o caminho já foi percorrido,
A herança é da inconsequência
Restando os poucos fragmentos
Da vida que você traçou.

Lembranças perfeitas I

O seu mundo não se move mais pelas lembranças?
Então por que, se sentir assim todo o tempo?
E tenta corromper com esse sentimento de angústia.
Mas não consegue!
É mais forte que você.
Vai ao mar? Estou lá
Vai à montanha? Também estou lá
Vai à beira do rio? Sentes falta de mim.
Deita-se na cama e pela janela vês as estrelas?
Eu sou uma delas.
Atravessou o oceano para sentir a mesma coisa de antes?
Errou. Nada é igual.
O cheiro é diferente
O diálogo é diferente
A música é diferente
E então, a poesia? Bem diferente.
È débil demais, não é?
São muitas as tentativas do esquecimento,
Mas você não consegue me esquecer.

Falsa Filosofia

Eu sou quem deseja compreender
Essa sua doutrina de bem viver
Que andas a defender
Da literatura ficcional árabe e europeia
Da Idade Média,
Através dos sete mares,
- Que se vive sem ordenado -.
E se manifesta com veemência
Exteriorizando os sentimentos e pensamentos
Com ardor e entusiasmo,
- O que alimenta a vida é viver do amor -.
Estou a dar o devido apreço
A essa ideia triunfal.
Mas, como posso acreditar nisso, nessa sua espiritualidade?
Nessa vã filosofia?
E o vinho, o pão de onde virão?
Pois acordo todos os dias,
Vejo com transparência
Famílias inteiras em penúrias
Na míngua de víveres.
Ah! Não sei se caio nessa cilada
De um dia possuir
A pedra filosofal.

Sem destino

Você deseja chegar?
Você sabe que o caminho é longo
E sabe que existe várias formar de ir.
Mas não será assim dão fácil.
Traça os objetivos e as metas para cada ato
E você vê que é sofrível.
Busque, o projeto está traçado.
Já está em exaustão?
Ou é medo da ação?
Potencialize as energias
Deixa de lado a aflição.
Não será mais um decadente
Juntando angústias e inquietação.
Sei, o esforço é hercúleo,
A ânsia é muita
Que causa náuseas
E ainda nem deu o primeiro passo.
Vai de bote?
Decidiu,
Fico aqui a ver da praia.
Você foi,
Vejo você distante
A sumir no horizonte.

terça-feira, 26 de março de 2013

Sem destino II

Viveu e viu as façanhas da vida
Armou-se em seu campo de força
Arrebanhou todas as ovelhas
Caricaturou a própria vida.
Fumou, bebeu, iludiu
Construiu e destruiu
Sem arregaçar as mangas.
Vida fácil, vida bruta,
Enquanto encontrou certezas
Que não fez por merecer.
Agora, homem, chegou a verdade
Das incertezas incondicionais.
Ontem o seu passado
Hoje o seu futuro impensado
Resultando na sua tormenta.
Escreveu a vida e criou os próprios tropeços
Devido o seu desajeito e negligência
Da sua bússola desordenada
Que insistiu seguir.
Não tem como seguir mais caminho
Vai navegar sozinho
No mundo único que construiu.

Sem destino I

Não, não é assim que você é,
Você é mais, muito mais de tão pouco,
É o verão que está a consumir o seu pensamento.
O outono já vem,
E logo, logo o inverno, para esfriar a sua irreflexão.
Quando fores refletir no inverno
Sentirás como foi o inferno
De como o verão te encolheu.
Não te aflijas por enquanto
O inverno tem os seus encantos
De curar os desencantos,
De um verão discricionário.
Não, não é culpa sua,
Faltou-lhe a decência plena
De um homem que não cresceu.

Psicopata

Leva anos e anos
Delineando a sua armadilha
Estudando a sua vítima.
Falante, charmoso, simpático, sedutor,
Capaz de impressionar e cativar rapidamente as pessoas.
Bonzinho, educado e inofensivo, é impecável.
É só fachada, um teatro muito bem engendrado,
Que esconde seus atributos perturbadores.
Capaz de enganar com suas mentiras repetidas,
À obtenção de seu lucro ou prazer.
Desrespeitador e imprudente,
Até da sua segurança e a dos outros.
Irresponsável de suas obrigações.
Sem nenhum sentimento de remorso,
Culpa por ferir, maltratar,
Roubar, enganar ou mesmo matar.
Nada disso faz parte do seu íntimo.
Inteligente, mas insensível, frio manipulador.
Fingidor de sentimentos perfeitos.
Quando descoberto? Mestre inversor do jogo.
Agora vítima de convencer
De que foi mal interpretado.
É consciente de todos os seus atos.
Não desiste é incansável e
Com seu charme e bem humorado
Vem o golpe da sua lâmina fatal.
Vai-se embora dissimuladamente
Parte para a próxima ação, sacrificar. 

segunda-feira, 25 de março de 2013

Insignificância

Cura a sua dor meu caro
Assim sai da latência do imaginário,
Honra-te da insignificância.
O trabalho é pouco,
Mas tens um teto com palmos medidos,
A abrigar os teus prazeres.
És tão apoucado
Que esta choça
O torna ancho.
Não lutaste pelo abundante,
E a pouca monta em que tu te apoias
Irá satisfazer-te.

Fuga a esmo

Fez juras que não pode cumprir,
Agiu como se conhecesse o futuro,
Criou expectativas no outro,
Conjeturou promessas em devaneios,
Gritou com sentimento único,
Humilhou-se,
Iludiu-se,
Destituiu-se,
Faltou-lhe o poder de mostrar a própria força,
À sua amante prepotente.
Atou de fato,
Uniformizou o ato
Tornou-se dependente de haveres.
Impotente, buscou a própria acepção.
Foi certo na escolha,
Estás agora no seu impressionante cenário,
Hilário.
Não tens mais juras a fazer.
Uniu-se a pessoa de iguais atributos,
Num Estado de quinta classe,
No país de terceiro mundo,
Florescendo da história de um passado
Das coisas habituais.
Nada notável,
Escondeu-se.

Eu e a mariposa

Estou hoje de frente ao oceano cinzento,
Lindo
Dentro deste apartamento com o físico esquálido
Observei novamente a mariposa que na parede da sala
Estava há mais de semanas pousada
Imaginei que ela, como eu
Estava meio morta
Ao remexê-la
Ela se apossou de outro sítio.
A expressão da mariposa e a minha
Deveria ser retratada em um filme.

Cinquenta anos

Sempre estive com o bit ligado
Isto a mim sempre foi dito
Esta analogia não foi um desatino,
Acompanhou a minha anatomia.

A mente a mil estava conectada
A construir a cada momento.
À inércia, só por estar sentada,
De resto, nem melancolia.

Eis que os anos se passaram
O bit de paridade foi interrompido.
Agora me oriento pelo reverso
E o foda-se foi disparado.

quinta-feira, 21 de março de 2013

Meus homens

Estou cansada das reverências
Tenho como liberdade
A antissocial
A minha própria forma de pronunciar.
Não quero nada que seja comedido.
Quero a relevância do meu próprio ato.
Quero os meus homens
E desejo amá-los a todos.
E nada que seja singular e exclusivista.
Nada de domínio público
Que exaurem os meus recursos mentais.
Não os quero fisicamente
Desejo-os de pés assentes
Mas sem muita intelectualidade.
Imagino-os com as suas esposas e amantes
Suas ternurinhas errantes e eu,
Os quero pelas suas melhores partes,
Aos meus pés pela minha genialidade
Na libertinagem de pensamentos,
Para que tenham sonhos
De um dia possuir, a mim,
A mulher intensidade.
E que ambicionem a minha extravagância,
Para que não morram as minhas nostalgias
E alimente as suas agonias
Daquilo que lhes é imparcial.
Que minha autenticidade
Sempre os deixem na busca
Da minha real personalidade.

quarta-feira, 20 de março de 2013

Indecisão

Essas dores!!!
Vou, porque tenho de ir;
Volto por não poder ficar.
Se pudesse, nem iria e nem ficaria.
Dói-me por demais a carne e ossos que compõe a estrutura de uma alma;

Pasmo sempre, por ir e não voltar. 

Odisseia

Levantou
Alçou voo
Viu com encanto
Todos os recantos
As maravilhas dos campos
As luzes das metrópoles
Os índios, as florestas,
As acrópoles
Os oceanos.
Aterrissou.
Viu a guarda inimiga
O sangue e a falta de comida
A doença, a má sorte.

Oculto

Fartei-me de mostrar o meu encanto
De cair em pranto
De elucidar minha ternura.
Hoje sei de que nada adianta
O que me é sentimental.
O que eleva o meu feitio e
Coloca noutro coração
A minha galhardia
É o meu intencional.

Metáforas



Os galos da Dona Lena
Cantam muito cedo
Uns às vezes morrem
Outros passam a cantar
Noutros terreiros.


Quase não sonho
Passo a ter sonhos confusos e difusos
Com o ator quando ele,
Despe-se de seu papel.

domingo, 17 de março de 2013

Mente demente

O corpo não mente
O que mente é a mente
Vergar-se na mente que mente
Tem-se a mente demente
E na noa que vai além da hora por ora
A mente que mente
Estagna na imensidão do céu noturno
Na recordação do momento divino
No sorriso amigo
Na sensibilidade do choro ou riso
No amor e na fé
Mente que mente indeterminadamente
No decifrar os enigmas das emoções
Os pensamentos abstratos
A consciência.
Absurdo de mente demente.

quarta-feira, 13 de março de 2013

Amor reverso

Num belo dia eu ouvi falar
Fizeram-te uma imprecação de males
Como prenúncio de morte.
Praga de gente sórdida.
Que nocividade é essa?
Uma árvore nascer dentro de mim?
Para que eu exploda?
Não entendi a malícia.
Fiquei torpe.
Predestinei à aversão.
E o infortúnio aconteceu.
A árvore nasceu, cresceu e criou raízes.
Dissipou dentro de mim.
Gerou frutos maravilhosos
As raízes entranharam-se no coração
Era a praga do amor reverso
De um amante em solidão.

sábado, 9 de março de 2013

Homem de rua

Depois de anos continuava ele ali sentado
Sempre a observar o nada
Ou a pedir uns trocados.
Sujo, imundo e maltrapilho,
Na sua liberdade ambulante
De súbito viu distante
Um brilho desconcertante.
Levantou com certa preguiça dada pela fome,
Caminhou lentamente,
Abaixou e pegou o diamante.
Ele não tinha por certo o que era,
Mas a intensidade do brilho
Fez guardar nos seus trapos.
Assustou-se com o que ali perto ocorria,
Aquietou-se nos seu espaço.
Era uma batida policial por um assalto.
Mandaram que se levantasse
E acharam a pedra maldita.
Perguntando quando a roubara
Ele nem chegou a abrir os lábios,
Colocaram nos seus pulsos e pés as algemas.
E o levaram ao delegado.
O desgraçado apanhara e fora preso,
O pobre que nem sabia o quanto valia
A pedra que achara ao acaso.
Agora lá sentado a olhar para as paredes
Que nunca tivera um dia,
Por causa de uma estranha pedra brilhante
Que para ele pouco valia.
A pedra lhe tirou a vida de vagamundo
A única liberdade que tinha.

Pernambuco

Conhecer Pernambuco é giro, como se diz na boa gíria de Portugal.
Baila-se cavalo marinho pra esquecer-se a lida negreira
Nos batentes dos pandeiros, da rebeca e do ganzá.
Na colheita e na caçada indígena
A velocidade impetuosa do ganzá a arrebentar maracatu.
Pólvora, cachaça e limão.
Mamulengo, que delícia, dá pra ri e pra chorar.
Da quadrilha, do maxixe e do galope, vem o frevo se exaltar.
É alegria da tesoura da pernada do carrossel nos passinhos a sublimar.
Tem a coco a pastoril a ciranda
É pra tudo o carnavá.
Além da linda Oh! Linda tem Recife
De arrecifes de corá.

quinta-feira, 7 de março de 2013

O rato e a ratazana

A ratazana encontrava-se quieta em seu mundo e cuidando de suas crias, quando um rato começou a chateá-la.
            O rato insistentemente e sem pudor a seguia por todos os lados, até que um dia ela cedeu à sedução. Que arrependimento meu Deus, que arrependimento.
            Ele prometeu à ratazana estudo, trabalho, casa e diversão. E lá se foi a ratazana para além mar.
            Trabalhou e estudou a danadinha para manter casa e diversão e se tornou a queridinha da família do ratão.
Enquanto ela fazia, ele ganhava atenção, tinha a seu lado sua obra em construção.
Mas o danado do rato era mesmo um traidor, corria atrás das gatas para mostrar o seu potencial, mas alisava a ratinha, para manter seu arsenal.
A ratazana se cansou e fugiu como animal.
O rato revoltado achou-se molestado pela ratinha sofrida.
Não cumpriu com as promessas e ainda se sentiu traído. Começou o inferno meu Deus, que inferno!
Perseguiu a ratinha e a condenou por tudo, era o santo rato querendo se vingar.
Agora a família do ratão se revoltou e com toda a razão, pois o queridinho do rato agora fora abandonado.
A ratazana sofreu nas palavras do rato como se a condenasse à fogueira, mesmo assim, a ratazana persistente não o deixou abandonando.
O rato sabe de tudo e onde se encontra a ratazana, mas quando se viu afoito tentou ludibriá-la, mas como boa ratazana não deixou mais se vergar, pois sabendo que lidava com um rato, a ratoeira ele iria armar.
Armou bem a ratoeira, mas a ratazana se livrou quem caiu na ratoeira foi o rato e a gata que ele amansou.
Pobre rato vagabundo que agora se esconde embaixo dos pelos da gatona sobre a ratoeira que ele mesmo armou.
Rato e ratazana se entendem, sabem bem onde se esconder, mas ratazana com felino não ha um bem querer.
A gatona é mais forte e o futuro mostrará, mais vale rato vagabundo com rata vagamundo que felino no altar.
Hoje a ratazana vive como dantes, curtindo suas crias e escrevendo estórias de uma história sem amor de dois ratos traiçoeiros, porém da mesma cor. 
Felino? “inheco” no rato.

segunda-feira, 4 de março de 2013

Virtualidade

A vida, amigos, amantes, exposições,
Tudo virtual.
As músicas, poesias, filosofias, psicologias,
Tudo virtual.
Os sonhos, as flores, as paixões e os amores,
Tudo virtual.
As religiões, as crenças os mitos e ritos,
Também virtual.
Ódios, rancores, dissabores,
Mundo virtual.
E quando tudo isso foi real?

sexta-feira, 1 de março de 2013

Maria da Penha Boina - Autoestima

Sempre achei que fosse censurada pelos meus defeitos
Comecei a mensurá-los para corrigi-los
Não os defeitos físicos, estes são o meu patrimônio.
Quanto mais corrigia as minhas imperfeições morais
Mais repreensão acontecia.
Demorei a compreender tanta condenação
Foi o tempo que me elucidou
Não existiam intrigas sobre as minhas deformidades
A aversão que de mim sentiam
Não eram sob o ponto de mira que eu imaginava
Os agulhões estavam direcionados eram para a minha excelência.