segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Vanglória

A vaidade  é pura soberba
Quando para outros olhos é impelida
Não existirá clemência
Para tamanha arrogância destemida.
A que destino levará tamanha ostentação?
Aos desejos e não para as necessidades
Ao submundo negando a autenticidade
Sem critérios profundos
Perdendo a liberdade.


quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Valores

Algum motivo tens para chorares filho?
Sim mãe, matei o meu passarinho.
Mataste- o tu, covardemente
Por teres mirado o teu estilingue a ele.
Não mãe, não mirei no meu pequeno passarinho
O meu ponto de mira era o Pedrinho
Que se diz meu amigo
Mas roubou o meu passarinho.


Guerrilha da vida

Ei! menino...
Você está aí carcomido?
Está precisado de uma semideusa?
Por afugentar seus pensamentos
Necessita de um Deus para a sua semiologia?
Por que?
Desapegou o seu olhar aflito das estrelas...
Desdenhou da única possível certeza...
Amesquinhou a lógica  da natureza...
Abominou o coquetel molotov que criou...
Ei! menino...
Tem de dar conta da rosa
E não esquecer dos espinhos.
O vergel é lindo mas têm daninhas
Pisoteie somente o que for preciso
Mesmo sendo no pomar do agreste
A escolha não pode ser antagônica.
A bomba cai e, muitas vezes acerta o alvo
Nenhum  movimento é sempre preciso
Mas não subestime os  pressupostos
Que pode ser o míssil direcionado
Ao não contestável.
Ei! menino...
Acertaram precisamente no seu coração?
E nem se importaram?
Sentiu o sangue na garganta?
E você não morreu?
Então, porque não levanta?
Sabe menino...
Não se ergue por não saber que foi atingido
A arma está em sua mão.
Não treinou o suficiente
Seu aprendizado foi apenas disfarçado
A sua escolha é ficar amotinado
Protegendo os que estão em seu patamar ideologizado.
Ei! menino...
Engole esse sangue amargo
Ajude a alguém a carregar as pesadas armas
Mostre o seu ânimo mais aguerrido
Ao menos assim, poderá não ser um alvo surpreendido.

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Estado da arte da liberdade

É no isolamento que encontro-me em liberdade
Sem obrigatoriedade
Sem necessidade de amor
De dinheiro
Isenta de curiosidade.

O meu estágio de eremita é  o mais aprazível
Liberta-me das penúrias das associações
Desobriga-me do servilismo
Afasto-me das tragédias gregárias
Abasto-me da minha própria nobreza.

No afastamento, no retiro, na solidão,
Encontro-me no meu mais alto voo
E em nada me incomoda os olhos alheios
Que observam a minha ocultação no universo
Pois tenho, o privilégio de pertencer a mim mesma.

As coisas insuportáveis para mim são:

·         Participar de reuniões sem objetivo e intermináveis;
·         Assistir palestras sem abertura para questionamentos e debates;
·         Entrar no quintal de parente ou amigo e me deparar com o cachorro solto e, ainda ter de ouvir a célebre frase - "não tenha medo, ele não morde";
·         Observar pessoas que riem de algo que não tem graça só para ficarem bem no contexto;
·         Conversar com alguém que, para ser feliz, depende somente das minhas ideias e ações;
·         Ter por perto gente que conhece o meu caráter e só se liga nos meus erros;
·         Aceitar pessoas incrédulas diante das minhas verdades e das verdades absolutas;
·         Ouvir de alguém que erra, falar que errou, por minha culpa;
·         Engolir elogios duvidosos;
·         Fitar nos olhos de quem fala e este disfarçar o olhar;
·         Ser acusada constantemente de uma atitude não crassa, mas infeliz, que cometi no passado;
·         Torna-me para alguém que se dizia amiga, a pior pessoa do mundo, quanto não fingi civilidade;
·         Receber telefonemas de quem não tem nada para fazer e, ter de escutar assuntos recursivos e infindáveis;
·         Telefonar para essa mesma pessoa que só pode me atender quando está atoa ou sem companhia;
·         Ter o amor de uma pessoa desde que eu seja quem ela imagina e não quem sou;
·         Aceitar viver a vida dos outros e não poder ser eu mesma.

domingo, 10 de agosto de 2014

À filha

Sabemos filha, que não nos pertence
Unimo-nos por laço e por nó
O nó é o amor que lhe facultamos naturalmente
O laço permite o desate de sua alma impenetrável
Dos seus pensamentos e sonhos
Que ao se realizarem, farão parte do todo
Na formação singular de sua personalidade.
Nós somos os arqueiros, você a flecha
Nós a direcionamos para o alvo que achamos mais propício
Mas, você é quem conduzirá a trajetória à vida.
Nesse curto caminho que viveu
Mostrou-nos que adquiriu sabedoria
E criou para si valores merecedores de estima
Dos quais nos orgulhamos imensamente
E só temos de agradecê-la, filha.

Amamos você.

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Vida otimizada

Nunca me arrependo do que decido
Mesmo que impreciso, inexato
O meu ótimo é ajustado
No melhor que faço.

Repugno a letargia
Não basta uma concepção
É escolha num conjunto determinado
De elementos possibilitados à apreciação.

É uma exploração contínua
Num espaço assegurado
Arrefecimento simulado
Em minha assídua busca tabu.