domingo, 22 de maio de 2016

Indício


Escrevo poesias sinistras
Para muitos sem sentido
Declamadas em falsete
Desespera o celerado.

Ambição parasita

Você julga injustamente o sucesso de alguém que mal conhece?
Você conspira contra  essa pessoa?
Você esperneia, cospe fogo e escreve desprovido de juízo?
Você se baseia sem conhecimento mais profundo
que ela, a pessoa que você difama
prescindi das horas de lazer
investe em noites  e mais noites debruçada sobre livros
e mesmo assim, acorda cedo no novo dia
Sem perder a serenidade
e tendo bastante idade
persiste na sua labuta
na tentativa de livrar as pessoas da morte, como você,
dos seres inferiores que matam
parasitas.
E você, peso morto?
Imagina que a vida do outro
é vivida de aparência
Caso você tivesse feito a sua parte
não se vitimizando no emprego e se fazendo de louco
não teria perdido o seu "troco"
Tivesse dispensado o casamento só pelo contrato
acreditando  na parte que lhe caberia
Tivesse aberto mão de um funeral grandioso para o seu morto
Tivesse renunciado as meretrizes e viagens
e não almejasse seu sucesso à custa dos outros
também teria tido êxito na vida
Saberia o sacrifício que é poder viver de aparência
aparência que você ambiciona
humano parasita.

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Maio

Prometi há muito
nada escrever no mês de maio
maio, mês otário
se todos fizessem seus levantamentos históricos
chegariam a conclusão
de que maio
não deveria aparecer no calendário.